to top

Casa segura, como preparar uma!

Aqui em casa o momento mais trash da criança descobridora de portas, aberturas e tooooooooodos os buracos já passou. Mas isso não significa que ele não reinvente a roda e consiga sempre achar um significado novo quando o assunto é segurança em casa. Vou contar uma historinha aqui só para vocês terem noção do nível que estamos. Eu havia decidido tirar o João da escolinha por conta das várias mudanças de temperatura e o ano passado, até o início de fevereiro ele permaneceu em casa, e com isso de tarde eu tinha ajuda de uma babá para que eu pudesse trabalhar e ele brincar. Em um momento de distração, meu e da babá, o João entrou no meu quarto e trancou a porta com a chave dentro, ou seja, só ele tinha acesso para conseguir se soltar.

Foi aí que lembrei da chave reserva que temos na cozinha, porém a ÚNICA chave reserva que não estava na cozinha era do meu quarto. Ou seja, ele estava realmente trancado lá dentro. Liguei desesperada para o meu marido vir pra casa arrombar a porta, já que o JH estava começando a ficar nervoso (não tinha passado nem 2min do acontecido). Foi quando eu ouvi e percebi que ele havia tirado do trinco a chave, peguei então a chave reserva do quarto dele e disse: “Filho, passa esta chave que você está na mão por baixo da porta. Como a mamãe vai fazer”. E assim aconteceu, João passou a chave que ele tinha na mão por baixo da porta e pegou a que mandei para ele. A minha sorte é que eu havia trancado a porta do banheiro do meu quarto (coisa que já era hábito aqui em casa, deixar as portas trancadas do banheiro para JH não entrar).

Foto do Pinterest… daquelas de inspiração de corredor, sabe? rs… para se ter em casa um dia!

Minha lição após este episódio: nunca mais deixar qualquer porta com chave (inclusive a da frente do apartamento – pois o pequeno sabe abrir para o bem ou para o mal – descobrimos tempos depois quando ele pegou uma chave em cima da mesa e acertou no trinco, abriu e chamou o elevador. A sorte que estávamos na cozinha e paramos ele). Depois disso, todas as chaves na cozinha (no chaveiro alto), banheiro sempre trancado, o único que deixamos aberto é o que ele usa já que está na época do desfralde. E o ensinamos que no vaso não se mexe, e estamos ensinando a ele sobre autonomia.

Graças a Deus não aconteceu nada de mais grave e ficou tudo bem, mas segundo uma pesquisa do Ministério da Saúde publicada recentemente mostra que acidentes domésticos (leia-se quedas, queimaduras, intoxicações e afogamentos), ainda são a principal causa por hospitalizações e até de óbitos de crianças e adolescentes. Especialmente os afogamentos que são a principal causa de mortes em crianças de até nove anos. Eu sou “psicopatiada”, completamente neurótica com piscina, morro de medo, tenho inclusive uma certa paúra quando chego com o João perto de uma. Ano que vem, inclusive, ele vai pra natação, é questão de segurança.

Mas enfim, cada cantinho da casa precisa de uma atenção especial, por isso algumas medidas* devem ser tomadas, tais como:

Cozinha, área de serviço e despensa:

Não à toa, a cozinha carrega a fama de ser o local mais perigoso da casa. Algumas medidas de prevenção são muito importantes e os papais não devem se esquecer delas:

  • As crianças pequenas adoram entrar na cozinha e colocar as mãos na porta do forno. Para evitar este tipo de acidente, coloque uma barreira de proteção (portão) para filhotes menores de 2 anos;
  • Panelas de fervura devem ficar nas bocas de trás do fogão, com os cabos virados para o fundo (cuidado com panelas de fundo amassado que balançam durante o uso);
  • Nunca se esqueça de que quando menos esperamos, os pequenos podem puxar a toalha da mesa derrubando os objetos como xícaras, bules, etc., que contêm líquidos quentes em cima deles;
  • Mantenha facas e utensílios cortantes em locais altos e de difícil acesso
  • Não deixe as crianças sem supervisão na cozinha;
  • Atenção redobrada nas janelas das cozinhas e nas áreas de serviço (frequentemente os pais não colocam redes de proteção nestas janelas). De maneira geral, não se esqueça de que sua rede de proteção tem vida útil e deve ser trocada periodicamente;
  • Armazene adequadamente os produtos de limpeza e os demais produtos químicos da casa (especialmente os cáusticos), e preferencialmente em locais altos. Além disso, nunca troque o frasco original, armazenando-os em frascos de refrigerante por exemplo. A suspeita da ingestão de uma substância corrosiva deve ser considerada uma emergência e nunca deve ser induzido o vômito nestas ocasiões;
  • Tomadas elétricas devem estar com protetores;
  • Baldes e bacias com água devem estar tampados ou mantidos em locais altos;
  • O tanque de lavar roupa deve estar bem fixo e nunca deve ser mantido cheio de água.

Banheiro

  • Cuidado com a temperatura do banho de nenéns, que devem ser de 37 graus;
  • Tenha tudo em mãos para não precisar se ausentar e deixar o pequeno sozinho na banheira;
  • Não permita que crianças maiores regulem sozinhas a temperatura do banho;
  • Evite deixar pisos molhados. Coloque tapetes anti-derrapantes dentro e fora do box;
  • Mantenha o banheiro bem ventilado. Aquecedores a gás e chuveiros elétricos devem sempre estar em bom estado de conservação;
  • Guarde cosméticos em locais seguros;
  • Atenção a medicamentos! Eles também devem ser guardados no alto e em locais de difícil acesso (especial atenção a remédios de uso controlado);
  • Mantenha tampas de vaso sanitário fechadas e com trava no caso de ter crianças pequenas em casa.

Quarto das crianças

  • Atente aos brinquedos de peças pequenas e/ou de má qualidade que possam desmontar ou que tenham baterias que possam ser facilmente alcançadas pelos pequenos. Eles adoram ingerir estas pequenas baterias, que são potencialmente tóxicas para o nosso organismo;
  • Os brinquedos devem ser guardados para evitar tropeços e quedas;
  • As camas devem ter proteções laterais e os espaços das grades distâncias de 5 a 7 cm para que não prendam a cabeça. Evite brincadeiras de risco, como pular na cama;
  • Muito cuidado com beliches ou camas semelhantes;
  • Os móveis, de maneira em geral, devem ter proteções nos cantos ou bordas arredondadas. Evite móveis embaixo das janelas;
  • Assim como toda a casa, as janelas devem ter rede de proteção.

Na casa de maneira geral:

  • Evite ter raticidas, pesticidas, bolinhas de naftalina ou produtos tóxicos. Caso seja essencial, mantenha-os em locais trancados;
  • Atenção com armazenamento de bebidas alcoólicas, cigarros, isqueiros e fósforos;
  • Aparelhos eletrônicos devem ter os fios presos;
  • Mantenha a casa com iluminação clara, escadas bem iluminadas e com piso antiderrapante. No caso de crianças menores, é essencial um portão evitando o acesso às escadas;
  • Evite uso de tapetes ou cole-los com fita adesiva no chão;
  • Tenha luzes de emergência para situações de falta de iluminação. Evite o uso de velas;
  • Piscinas devem estar cercadas e os pequenos sempre monitorados durante o seu uso. Lembre-se de que um balde de água ou uma banheirinha de plástico são suficientes para uma criança pequena se afogar.

Enfim, o principal de tudo ainda, é manter a atenção às crianças e nunca desgrudar o olho. Afinal, é num piscar que as coisas acontecem. E por aí, quais os cuidados que vocês tem em casa? Já aconteceu algo assim que, se você pensar, enlouqueceria, mas na hora precisou manter a calma? Conta pra mim!

Beijos, com carinho. Verô!

*As medidas de proteção foram enviadas pelo Dr. Marco Aurélio Safadi, parceiro da NUK, e professor de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e coordenador da Equipe de Infectologia Pediátrica do Hospital.

Verônica Muccini

Verônica Muccini é jornalista, mas brinca que tem a alma de Relações Públicas, porém foi na maternidade que descobriu o seu maior desafio. Divide as suas angústias, conquistas e trapalhadas com o pequeno João Henrique aqui no Depois da Chegada.

Deixe o seu comentário...