to top

Menino autista cria vídeo-história sobre as emoções

João estuda em uma escola que é completamente inclusiva. Na festa junina duas lindas meninas que tem suas diferenças dançaram lindamente a quadrilha. Uma em sua cadeira de rodas rodopiou lindamente o salão, e a outra abraçada à sua monitora se concentrava para não errar os passos. Não teve uma pessoa naquele ginásio que não aplaudiu e chorou olhando o esforço das meninas. Foi lindo. É lindo, sempre! Sem falar no menino mais lindo dançando, do seu jeitinho repetitivo, todo orgulhoso. Ele tem autismo, em um dos graus mais severos. E dançou, lindamente!

Conheci a história do Projeto De Criança para Criança e fiquei apenas encantada. Veja este vídeo desenhado, narrado e produzido inteirinho, por um menino com TEA – transtorno de espectro autista, depois conversamos. PS: tente não se emocionar.

Luís Dorión Schenk é um menino autista de 12 anos que, assim como muitas outras crianças nessa idade, tem dificuldade de lidar com seus sentimentos. Unindo o que ele mais gosta de fazer, que é desenhar e também ajudar outras pessoas, Luís desenvolveu uma história em vídeo que fala sobre a confusão de emoções, como as reações a elas impactam os outros ao redor e o que as crianças podem fazer para entender melhor o que estão sentindo.

Tanto a criação da história, como os desenhos e a locução do vídeo, foram realizadas por Luís através da plataforma online colaborativa ‘Criando Juntos’, parte do projeto ‘De Criança para Criança’, que transforma desenhos e histórias criados por crianças em animações 2D. Os trabalhos realizados são compostos de histórias que vêm de sonhos, experiências vividas, fantasias e desejos de crianças de diferentes lugares do mundo. “Pela primeira vez, e através de um diálogo lúdico universal, crianças podem ver seus desenhos ganharem vida na tela – exatamente como foram criados”, explica Gilberto Barroso, um dos criadores do projeto De Criança para Criança.

O De Criança para Criança tem como principal missão desenvolver a leitura, os desenhos, a oralidade, a criatividade, os valores e a experiência colaborativa. Isso tudo é feito com o auxílio da tecnologia, o que torna as crianças empreendedoras do seu próprio conteúdo. Marie Dorión, mãe do menino Luís, conta que realmente o interesse por desenhar foi um agente transformador na vida dele. “Os desenhos ajudaram não só na parte social, com a conquista de novos amigos que pedem desenhos a ele na escola, como também na parte emocional, pois agora ele consegue expressar melhor seus sentimentos, e descobriu que tem o sonho de seguir a carreira de desenhista”, diz. É ou não de se orgulhar? <3

Em tempos de falta de empatia e respeito ao próximo, Luís deixa uma importante lição com a sua história: “Aprendi que minhas emoções não estão erradas, mas, às vezes, meu comportamento pode magoar os outros, e eu não quero magoar ninguém, então quero aprender a ter compaixão”.

Obrigada menino Luís! Mercí. <3

beijos, com carinho… Verô! 😉

Verônica Muccini

Verônica Muccini é jornalista, mas brinca que tem a alma de Relações Públicas, porém foi na maternidade que descobriu o seu maior desafio. Divide as suas angústias, conquistas e trapalhadas com o pequeno João Henrique aqui no Depois da Chegada.

Deixe o seu comentário...