to top

Minha adaptação: chegou a hora de ir para a escolinha, e agora?


Olá mamães! Sejam todas bem vindas!

Hoje eu vou contar pra vocês como foi a adaptação do João Henrique na escolinha, e porque resolvemos colocar ele ainda este ano, já que desde o momento em que engravidei o plano era esperar até os dois anos de idade para chegar nessa fase do vídeo game!

Pois bem! Quando o João Henrique nasceu eu e meu marido havíamos combinado que teríamos uma pessoa para nos ajudar com os afazeres da casa meio turno, e o João Henrique até os dois anos de idade permaneceria em casa, já que ele havia nascido prematuro e eu teria esta opção de cuidar dele. Porém, contudo, entretanto, todavia como diz a minha mãe, nem tudo acontece como a gente planeja né? Ainda bem! <3

Chegou o mês de janeiro e fomos para praia com a família, na volta percebi que o JH não queria mais ficar apenas no apartamento brincando, ele ficou 15 dias interagindo com crianças, pessoas e permanecer com ele em casa, só eu e ele estava o deixando irritado, pois o que ele mais queria era brincar com outras crianças, como o fazia na praia. Tenho muitas amigas com filhos, e sempre nos encontrávamos, porém o meu pequeno estava precisando deste convívio diariamente.

Conversando com meu marido e pegando indicações escolhemos a escolinhas que iríamos visitar. Eu havia escolhido duas aqui em Passo Fundo. Alguns dos critérios que utilizamos foi infraestrutura, horários flexíveis, atividades oferecidas dentro da mensalidade, acessibilidade e claro, dedicação e cuidado com as crianças. Visitei a primeira escola (que foi a que escolhi), me apaixonei e nem fui na outra que estava na lista. Coração de mãe sabe quando o seu filho vai se sentir bem em um lugar, pois você se sente bem lá também.

Era uma segunda-feira, uma semana antes do carnaval, quando fui visitar a escolinha, entrei lá bem “macha”, coloquei meu batom vermelho (me dá segurança e me sinto poderosa, rs…) e já no primeiro passo o coração acelerou e a primeira – e única – lágrima caiu. Foi ali que percebi que meu filho estava crescendo e eu já não tinha mais um bebê em casa. Conheci a escola, perguntei (muuuuuuuuuuuuuito) com relação as questões alimentares e cardápio oferecido, e meu coração acalmou. Era ali que o meu #babyesquilo ia estudar.

Primeiro dia da adaptação, já teve festa de carnaval.<3

Primeiro dia da escolinha já teve carnaval! <3

Ele começou a adaptação ainda naquela semana. E estava tão confiante que ele iria ficar bem, que tenho certeza que passei essa confiança para ele. E morri de orgulho dele, quando ao entrar na sua sala ele quis ficar lá brincando, e nem me deu bola mais. No primeiro dia ficamos uma hora e meia. Cada dia ele ficava uma hora a mais, até que no quarto dia de adaptação ele já ficou a tarde toda, e a mamãe aqui ainda esperava ficar sentada na sala de adaptação, esperando caso desse algum choro. Mas ele me abandou e disse “tau”, tchau na língua dele.

Processed with VSCO with a5 preset

As professoras iam me mandando imagens dele, pra me tranquilizar.

Toda vez que íamos levar ele sempre tínhamos junto um controle que ele é apaixonado, gurizes, néam? E ele era o ajudante oficial pra abrir o portão da escolinha. Aquele controle foi crucial para a excelente adaptação dele, ele se sentia em casa, com a sua naninha e o controle. E eu saía tranquila, explicando sempre que a mamãe iria trabalhar e já voltava.

Processed with VSCO with a5 preset

Aula de musicalização no pátio.

Então, meninas, tenho certeza que a adaptação dele foi incrível pois eu estava decidida, tranquila e passava esta tranquilidade e sentimento de decisão pra ele. Aqui vão algumas dicas pra vocês, bem práticas!

  1. Passar tranquilidade e segurança é essencial, pais tranquilos terão, consequentemente filhos tranquilos nesse momento;

  2. Um pedacinho de casa ir junto para a escola: no caso do JH mandamos a naninha com o controle, ali estará um de seus pontos de segurança;

  3. Seja verdadeiro com seu filho – prometeu/cumpriu: conte que a mamãe/papai/responsável irá deixar ele ali com a professora mas que já volta, e que está tudo bem. Faça isso de forma breve, se tiver que esperar no pátio da escola, diga: “A mamãe vai estar no pátio/sala/biblioteca”, e fique lá. Algumas crianças precisam ir dar uma “espiadinha” nos pais para saberem que está tudo bem, e que eles estão de acordo em ele estar naquele ambiente.

  4. Tenha paciência: durante o período de adaptação o seu filho pode chegar em casa e necessitar de um pouco mais de atenção, e por muitas vezes, chorar, ou até mudar a rotina do sono. Tenha consciência que é uma fase e vai passar. A mudança traz insegurança, medo, frustração, irritação, muitas vezes traduzidos pelo choro. Embora seja difícil ver tudo isso acontecer, pense que aprender a lidar com essas emoções é uma etapa importante do desenvolvimento. Blindar seu filho disso só o deixará mais frágil, e lembre-se todos já passamos por este processo. Eu me lembrava direitinho a primeira vez que fui pra escolinha.

  5. Adapte a rotina: pode ser que o seu filho que dormia a noite toda acorde de madrugada, querendo você. Isso aconteceu com o JH, foram três dias acordando de madrugada e com muuuuito choro. As vezes a janta que antes era dada as 18h30min, precisará passar para as 19h30min, até a criança baixar a adrenalina da volta pra casa, e em seguida precise ser dado o banho, coisa que antes você o faria as 21h, apenas.

  6. Chegou na escola, passe segurança ao entregar para a (o) professora(o): seja rápido e breve na hora de entregar a criança, isso passará confiança de que aquele lugar é seguro. Se ele já for maior, incentive-o a entrar na escola caminhando e levando a própria mochila.

  7. Aproveite este tempo livre para você! 

Processed with VSCO with a5 preset

Atividades na escolinha, muuuuuuuito amor envolvido em uma foto só!

E por ai mamães, como foi a adaptação dos pequenos na escolinha?

beijos!!

Verônica M.

Verônica Muccini

Verônica Muccini é jornalista, mas brinca que tem a alma de Relações Públicas, porém foi na maternidade que descobriu o seu maior desafio. Divide as suas angústias, conquistas e trapalhadas com o pequeno João Henrique aqui no Depois da Chegada.

Deixe o seu comentário...