to top

O ano que nossa família renasceu

Ao ler este título: o ano que nossa família renasceu, em uma primeira impressão, é deveras forte, não é não? E aí você me pergunta, ou deve se perguntar: mas antes, vocês não eram família? Te respondo, claro que éramos! Mas o ano foi de nós descobrimos, nos unirmos e renascermos.

Em fevereiro de 2018 resolvemos nos mudar. Morávamos em Passo Fundo. Próximos de todos os nossos familiares, pais, avós, primos, todos os amigos de infância, da faculdade… da vida. Henrique, meu marido já estava morando em Dois Irmãos a nove meses, uma gestação. Quando ele foi João estava na metade do ano letivo em Passo Fundo, na escola que ele nasceu, praticamente, e que conhecia como a palma da mão dele.

Toda vez que Henrique tinha que ir pra “casa”, João chorava e dizia que não éramos mais família, pois o papai não morava mais conosco. Papai estava longe, e segundo ele mesmo havia contado para a professora dele na época, “Papai só nos visitava no final de semana”. De certa forma, na visão dele, ele estava certo. Meu marido passava a semana em Dois Irmãos e vinha todos os finais de semana para ficar conosco.

Até que, em janeiro, quando fomos passear na “casa de Dois Irmãos” perguntei ao João: “Filho o que você acha de vir morar em Dois Irmãos, junto com o papai?” A resposta dele? “Acho uma boa mamãe, voltaremos a ser família de novo.” Aquilo bateu forte.

Olhei pro Henrique e disse:

“Vamos nos mudar e ficarmos juntos. Vamos renascer como família.”

Toda sexta-feira essa cena se repetia, e estávamos cansados de ser apenas uma vez por semana, queríamos todos os dias. E assim o fizemos…

E assim foi. Medo? Eu tinha muito, mas tinha também duas semanas para matricular ele na escola nova, organizar a mudança sozinha, já que o Henrique não tinha férias e não conseguiria me ajudar com as coisas, e de quebra tinha que cuidar do João, que estava de férias, e ainda trabalhar. O medo? Esqueci, minhas prioridades eram outras. Aí pensei comigo, se eu conseguir equilibrar todos estes pratos, conseguiremos fazer tudo. Juntos!

João matriculado na escola, caixas embaladas em Passo Fundo, casa vazia. Chorei. Chorei de saudade da MINHA casa, chorei de esperança pois eu já havia traçado todos os nosso futuros planos. Iria para a academia, faria da nossa estadia e morada o melhor lugar do mundo. A nossa fortaleza. Assim como era em Passo Fundo, mas desta vez estávamos só nós três! Nossa tríade.

A vida tomou o seu prumo. Acho que uma das principais conquistas nossa foi ter dado esse passo. O passo da independência, o passo do, se conseguirmos agora, conseguiremos sempre, pois estamos juntos.

Tenho absoluta certeza que o anjo da guarda que nos protege nos deu de presente uma pessoa para ser nossa anja, nos acolher e nos cuidar, a Dona Sônia, meu braço direito, esquerdo! A Dona Sônia foi, e é uma daquelas pessoas que se agradece por ter ao lado, precisamos viajar e não tem a família, ela fica. João está em paz, tranquilo e na sua rotina. Em casa.

Dois Irmãos nos acolheu, acredito que com a mesma vontade que a acolhemos, foi digamos assim, um namoro gostoso.
Eu vi a felicidade do meu pequeno ao estar em casa quando o pai chegava de viagem e dizer: “Bem vinda a nossa casinha, papai”. Agora estamos em família. A nossa família
!

Posso ver o meu marido nosso filho fazendo churrasco no final de semana, ou em qualquer outro dia da semana. Podemos ir pegar João a pé na escola, estarmos próximos, juntos. Unidos! Oficializamos a nossa união, casamos. Reforçamos o nosso amor, o nosso caminhar.

Agora não temos pai, mãe, avós, tios, dindos por perto, mas temos um ao outro. E vou te contar uma coisa: descobrimos que somos muito poderosos juntos. Que conseguimos tudo! Hoje, somos nós três. Claro que, quando precisamos, conseguimos e podemos contar com todos. Afinal, de Dois Irmãos para a nossa cidade natal é logo ali. Mas saber que conseguimos fazer tudo do nosso jeito é libertador.

Ver a casa que transformamos em lar, e a cidade que se tornou a nossa casa foi o melhor presente que 2018 pode nos dar. E agora em 2019, sabemos e queremos muitos novos desafios, e sabemos que conseguimos.

Beijos, com carinho, e PROMETO (meta do ano), escrever mais aqui!
Verônica Muccini Longhi
PS: to ainda acostumando com o novo sobrenome, quem mais? rs..

Verônica Muccini

Verônica Muccini é jornalista, mas brinca que tem a alma de Relações Públicas, porém foi na maternidade que descobriu o seu maior desafio. Divide as suas angústias, conquistas e trapalhadas com o pequeno João Henrique aqui no Depois da Chegada.

  • Kelly Schmidt

    Queridos! Que vocês sigam fortes e cheios de amor! Obrigada por tudo!

    Abraço carinhoso,
    da Kelly

    3 de janeiro de 2019 at 18:39 Responder
  • Vania Grazziotin

    Muito, muito feliz por vocês .

    3 de janeiro de 2019 at 19:57 Responder
  • Giovana

    Acho o máximo seus posts!!! E vida real é vida de mãe esposa profissional #emponderada

    5 de janeiro de 2019 at 01:37 Responder

Deixe o seu comentário...