to top

Trombofilia: o diagnóstico que mudou a minha gestação

O post de hoje é um revival de tudo o que aconteceu na minha gestação. Como muitos sabem eu descobri que era trombofílica durante a gravidez do João Henrique. E conto neste post um pouco como as coisas aconteceram comigo:

“Quando fui na primeira consulta com a médica sabia de todos os exames que ela iria me pedir, inclusive um que na minha cabeça já sabia o resultado, e seria negativo. A minha médica tem por conduta pedir o exame da trombofilia, que é quando ocorre a formação de trombos nas veias. Na gravidez uma trombofilia não tratada pode levar à morte do bebê e em complicações mais sérias, a da gestante também. O “único” histórico que eu tinha na família foi de uma tia que com 40 anos teve um AVC, e hoje está bem, não teve sequela nenhuma e controla com o uso de medicamentos.

070

O resultado do exame de sangue saiu em um mês e pimba, eu tinha trombofilia e teria que usar o medicamento todos os dias durante a gestação. Um pânico e negação do resultado do exame me tomaram por dois dias, exatamente à espera pela próxima consulta. Antes disto conversei com uma outra tia, que também é trombofílica mas não tem consanguinidade, teve duas gestações e tomava as injeções do medicamento, como eu teria que fazer. Chorei muito, afinal não estava conseguindo entender e aceitar porque eu tinha sido “abençoada” com tal problema, afinal um dos sintomas da trombofilia era a dificuldade para engravidar, coisa que para mim não foi difícil. Engravidei sem querer.

Enfim, minha tia – que também é médica – me explicou tudo o que aconteceria, os tipos diferentes de trombofilia que existiam e as consequências, caso eu me negasse a fazer as injeções do anticoagulante todos os dias. Eu não queria correr risco nenhum e menos ainda colocar o meu filho em risco. Esta conversa com a minha tia foi bem esclarecedora e acalentadora. Não me senti sozinha e depois pesquisando descobri que outras amigas também já tinham tido o mesmo problema e tomaram as injeções de Clexane todos os dias, assim como eu. Minha médica me explicou que as mutações que tenho são adquiridas e hereditárias, ou seja, o meu caminho não seria outro que tomar a injeção.

Ainda lembro o dia em que tomei a primeira injeção, uma amiga me ajudou a fazê-la já que você mesma faz a aplicação e a seringa é tão fininha que não se sente. Suei frio, senti a agulha furar a minha barriga antes mesmo de entrar na pele. Primeira injeção feita, agora era seguir e tomar as outras. Na primeira semana não tive coragem de fazer sozinha e pedi ajuda ao meu marido para aplicação, na segunda semana já estava mais fortalecida e criei coragem de fazer sozinha. Me achei o máximo, me aplicando, tão adulta – como diz a Peppa Pig…rs! Era uma evolução e tanto para quem tinha negado e agora estava “tirando de letra” aquela situação toda. No final da gestação eu já estava mais que craque, e se tinha algum compromisso que não estivesse em casa para fazer levava o meu álcool na bolsa, a seringa e ia ao banheiro fazer a aplicação. Foram 214 injeções, 214 dias em que eu estava mais do que tudo protegendo meu menino, e a mim também.

081

No final da gestação, com todo o cuidado e tratamento feito, ainda apareceram alguns trombos na placenta, e a dose foi aumentada. Cada ultrassom era uma agonia para saber se todas as minhas veias da placenta estavam “limpas” ou se tinha alguma obstrução, e nas que tinham a obstrução qual era a dimensão. Foram três semanas desgastantes até o João Henrique nascer, em que um misto de raiva e medo tomaram conta de mim, afinal eu tinha feito tudo certo, estava tomando a medicação e porque cargas eu ainda tinha aqueles trombos no corpo. Para minha alegria e felicidade meu pequeno continuava crescendo, ganhando peso e os trombos não eram próximos ao cordão umbilical. O que não representava tanto risco. Cada ultrassom era uma vitória. E descobri com a trombofilia uma garra, determinação e um amor que eu jamais imaginei que teria.

Agora, sabendo do diagnóstico, se eu quiser engravidar terei que fazer uso do anticoagulante antes mesmo de pensar em gravidez. Serão três meses, no mínimo, de injeções, durante as tentativas, durante toda a gestação e um período depois. Eu tive que tomar as injeções um tempo depois que o João Henrique nasceu, tudo para evitar que eu não tivesse um AVC ou problemas venosos.

Então gurias, se por vezes vocês tiveram abortos por causas desconhecidas, muitas dores de cabeça inexplicáveis ou ainda não consegue engravidar por motivo aparente algum, investiguem sobre a trombofilia. Pode ser uma causa, ou ainda uma luz no final do túnel. Conversem com seus médicos, vale a pena!

003

A Revista Crescer publicou uma entrevista com alguns especialistas sobre o tema, confiram abaixo!

O que pode causar a trombofilia?

Há duas possibilidades de origem para a trombofilia. Uma é hereditária, quando a condição está ligada a fatores genéticos. Outra é quando essa condição é adquirida. Neste caso, ela pode ser desencadeada por diversos fatores que aumentam a coagulação do sangue. Entre eles estão o uso de estrogênios, terapia de reposição hormonal, viagens aéreas prolongadas (por causa da pressão), cirurgias, imobilização e também a gravidez. Quando a trombofilia é adquirida, o quadro mais comum é o da síndrome antifosfolípide, ligada à produção de um tipo de anticorpo que estimula a coagulação. Essa condição representa cerca de 60% dos casos.

A trombofilia hereditária é mais grave que a adquirida?

Não. Na verdade, é o contrário: a síndrome antifosfolípide costuma ser mais agressiva do que os quadros ligados à genética. O que pesa mais é o histórico pessoal e familiar da mulher. Se ela já teve um ou mais episódios de trombose, há grandes chances de que isso se repita durante a gestação. Caso familiares mais próximos (pai, mãe, avós e irmãos) tenham histórico de infarto, AVC ou morte súbita antes dos 50 anos também vale investigar se há relação com a trombofilia.

Para as grávidas, a trombofilia é perigosa?

Sim. Como o sangue fica mais espesso, pode haver entupimento tanto das veias da mãe como obstrução da circulação do sangue que vai para a placenta. Se metade das veias da placenta  entopem, ela começa a se descolar antes da hora – esse é um dos principais riscos para grávida com trombofilia. Nos casos menos agressivos, pode haver obstrução parcial das veias da placenta. Isso reduz o fluxo de sangue e, consequentemente, de nutrientes que chegam ao bebê. Por isso, a trombofilia também está ligada à redução do crescimento fetal. Além disso, quando 90% das veias da placenta ficam obstruídas, o bebê vai a óbito. Isso aumenta o risco de abortos de repetição, assim como de parto prematuro. Em relação à saúde da mãe, uma das complicações mais temidas é a embolia pulmonar, que é quando as artérias ou veias do pulmão ficam obstruídas. Além disso, a gestante com trombofilia tem mais risco de desenvolver pré-eclâmpsia.

Quais são os sintomas da trombofilia?

Muitas vezes essa condição é assintomática, mas um dos sinais de alerta é o inchaçorepentino. Aquelas gestantes que têm pré-eclâmpsia antes de 34 semanas de gravidez também devem ficar atentas. Outro sinal de alerta é quando a barriga da mãe cresce pouco, já que o bebê não se desenvolve como esperado.

Há fatores que podem piorar o quadro?

Sim. A gestação gemelar, por exemplo, aumenta o risco de trombofilia porque a mulher produz mais fatores de coagulação. A desidratação também pode agravar a situação porque engrossa o sangue. Vale mencionar ainda o uso de drogas e o cigarro, assim como o excesso de peso, uma vez que a gordura aumenta os riscos de trombose. (Por esse motivo, a gestante deve ficar ainda mais atenta à balança e praticar atividades físicascom regularidade). Quanto mais avançada a idade da mulher, maior é o risco de trombofilia.

Que outros cuidados são necessários para as grávidas?

Se a mulher for viajar de avião, os exames do bebê têm de estar normais e, mesmo assim, os médicos só costumam liberar trajetos mais curtos, com duração máxima de 4 horas. Nesse período, é importante que a grávida se mantenha bem hidratada e tente se mexer durante o voo. No dia a dia, devem ser tomadas precauções gerais, como uso de meias elásticas, realização de atividade física e controle clínico e obstétrico regular. De acordo com o histórico pessoal e familiar, e com os resultados dos exames de trombofilia, pode ser necessário uso de heparina e/ou ácido acetilsalicílico. Se não for tratada, a síndrome antifosfolípide pode dimunuir as chances de ter um filho um filho vivo para 10%. Com o tratamento, essa taxa sobe para 85 a 90%. Ainda assim, vale o alerta: mesmo com o tratamento a gestação de grávidas com trombofilia é sempre de alto risco. Por isso é preciso fazer um pré-natal rigoroso, acompanhando bem de perto tanto a saúde da mãe como do filho.

Fontes: Venina  Isabel Leme de Barros, ginecologista do Hospital e Maternidade São Luiz Itaim (SP) e Elbio Antônio D’Amico, especialista em Hematologia do Hospital Sírio-Libanês (SP)

Então meninas, informação é tudo! Conversem com seus médicos e não fiquem com medo ou dúvidas.

Beijos!

Verônica Muccini

Verônica Muccini é jornalista, mas brinca que tem a alma de Relações Públicas, porém foi na maternidade que descobriu o seu maior desafio. Divide as suas angústias, conquistas e trapalhadas com o pequeno João Henrique aqui no Depois da Chegada.

  • Paula

    Oi Veronica…descobri a trombofilia após a gestação, meu bebê teve restrição de crescimento e nenhum médico suspeitou de trombofilia. Nasceu de 34 semanas, mas graças a Deus hoje está com um ano e muito bem. Todo mundo dizia que foi um acaso e tal, mas eu não me conformei e fui em outro médico que descobriu a trombofilia…tinha o sonho de ter mais um filho, mas tenho 35 anos e me falta coragem depois da descoberta. PARABÉNS PELA GARRA E PELO SEU BEBÊ

    12 de julho de 2016 at 20:06 Responder
  • Sonia

    Eu tb estou com sintomas de trombolifia já tive 3 aborto. Os exames o convênio não cobre voy ter que pagar e meu sonho é ser mãe espero conseguir.

    22 de outubro de 2016 at 03:11 Responder
      • Jucy

        Oi Veronica!
        Descobri a trambofilia este ano depois de três abortos consecutivos. Hoje descobri que estou grávida e iniciei o tratamento com clexane. Confesso que estou preocupada e ansiosa,mais creio em Deus que tudo vai dar certo.

        13 de julho de 2017 at 20:31 Responder
    • raquel

      mas suas gravidez vai ate quantas semanas?
      eu ja tive dois agora fiz todos os tipos de sangue pra ver.!

      15 de janeiro de 2018 at 20:52 Responder
  • Lidiane

    Eu estou grávida li em alguns artigos que só posso fazer o exame antes de engravidar que agora não aparece é verdade?

    4 de novembro de 2016 at 14:22 Responder
  • Emanuela Ramires

    Oii Boa Noite,linda sua história.
    Sou gestante de 8 semanas,porém tive uma TVP a 3 anos e meio.
    Agora ja estou assistida por profissionais,tomo clexane 40mg todos os dias.
    Voce tomava quantas mg?Gostaria de dicas e informaçoes complementares.
    Infelizmente mesmo assistida e orientada o medo me consome.Peço a Deus foças todos os dias.
    Meus Parabéns pela grande batalha vencida.Fica com Deus.

    6 de novembro de 2016 at 22:16 Responder
  • Michele

    Oi veronica temho 24 anos e tove trombose cerebral fiquein1e dias internada so depois de 3 meses descobrir q eu ja estava gravida quando descobrir a trombose no cerebro
    Tive q mudar urgentemente o anticoagulante oral p o injetavel clexane uso 80 mg por dia.
    Agora tou cm 6 meses de gestaçao no meu caso o parto e normal ou cesario nenhum medico ainda me orientou quanto a isso pois so conseguir um acompanhamento especializado agora no sexto mes…
    Tou muito apreensiva pois e minha primeira gravidez e nao sei cm tudo isso ira acabar…

    13 de novembro de 2016 at 17:57 Responder
  • Marília

    Oi Verônica , eu estou com o mesmo problema. Fui diagnósticada a 1 semana , fiquei arrasada , pois meu bebê está com o crescimento e peso restrito . Tenho pesquisado na Internet e só vejo matérias negativas . Tenho muito medo mais lendo sua matéria me tranquilizei. Obrigada por compartilhar pois a maioria das gestantes não falam sobre o assunto .

    21 de janeiro de 2017 at 10:57 Responder
  • Marília

    Seu filho nasceu de quantas semanas e o peso foi o ideal ?

    21 de janeiro de 2017 at 11:01 Responder
  • Fabiana Gonçalves Carneiro de Carvalho

    Oi Verônica , bom dia. Tenho diagnóstico de Lúpus desde os 19 anos de idade. Hoje tenho 40 anos. Passei nove anos com diagnóstico de esterilidade sem causa aparente. Em 2014 fiz FIV sem sucesso. Em outubro do mesmo ano consegui engravidar naturalmente. Ma sofri um aborto. Foi uma dor na alma dilacerante. Então em Julho de 2015 resolvi fazer nova tentativa de tratamento para engravidar. Foi qdo em um mês depois descobri que estava grávida novamente. Uma mistura de alegria e preocupação. Mas Deus reservava esse lindo milagre para minha vida. Descobri na gestação a síndrome do anticorpo antifosfolípide positivo. Iniciei então uso de aspirina e Enoxoparina 40mg. minha gravidez foi super tranquila e saudável. Mateus nasceu 30/03/16 cheio de saúde e bênçãos. Tb usei as injeções durante quase 2 meses pós parto. Qdo Mateus tinha 7 meses descobri grávida novamente, mas já em processo de aborto. Agora em Janeiro de 2017 estou novamente grávida. Graças à Deus tudo bem. Iniciei as injeções. Minha maior preocupação pq me foi prescrito tb aspirina. Mas meu filho ainda mamando muito. Apesar de comer outros alimentos super bem. Queria tanto poder controlar o risco de trombofilia somente com a enoxoparina. Pois a aspirina é incompatível com amamentação. Tenho sofrido com essa situação. Tenho que proteger Mateus, o bebê e a mim. Estou rezando ao Pai para que Mateus desmame o mais rápido possível naturalmente. Grande abraço

    9 de fevereiro de 2017 at 14:10 Responder
  • Jamile Schaefer

    Oi Verônica.

    Adorei seu texto, bastante esclarecedor!

    Eu passei por uma gestação muito difícil em 2011. Inchei horrores, tive pré-eclâmpsia e minha filha RIC, nascendo de 31 semanas com 915g e 34cm. Foram longos 57 dias entre UTI e UCI. Hoje ela está com 5 anos e meio e altura e peso normais para a idade, mas ficou com algumas sequelas da prematuridade extrema (engatinhou com 1a e 7m, caminhou com 3 anos, ainda usa fraldas, não fala) e os médicos a colocaram dentro do Espectro Autista, mas é minha princesa! Quem não sabe da condição dela, acha que é só mais uma criança quieta, rsrs

    Durante os US da gestação nada aparecia, a não ser a questão dela sempre estar com baixo peso e tamanho. Porém no parto, minha médica viu cicatrização na placenta que demonstrava que tive descolamento e também trombose, tudo o que o médico que fez os US nunca viu (ainda hoje nos perguntamos como ele não enxergava esse monte de problemas!) e o cordão umbilical era mal desenvolvido (tinha 1/3 da grossura de um cordão de 31 semanas). Minha médica até comentou que não entendia como a minha filha conseguiu sobreviver ao estado que estava em meu útero.

    Durante 1 ano, após o parto, fiz exames para descobrir se tinha a trombofilia adquirida e deu tudo negativo, deixando minha gestação e seus problemas com apenas mais um ponto de interrogação. Agora meu marido e eu estamos planejando o segundo filho e minha GO, a mesma que me acompanhou na primeira gestação, solicitou exames para ver a trombofilia hereditária. Ainda não tenho os resultados, mas para acalmar a alma e o coração, torço para apareça alguma coisa, pois assim terminaria com quase 6 anos de angustias e medos que meu marido e eu passamos em não saber do porque ter ocorrido tudo isso na gestação.

    Outro detalhe é que para essa segunda gestação vou procurar uma GO de alto risco para acompanhar também. Melhor exagerar na prevenção 🙂

    10 de fevereiro de 2017 at 12:42 Responder
  • Renata

    Bom dia Verônica !
    Oi Verônica tenho 24 anos e em 2015 estava gravida uma gravidez tranquila aparentemente porem com 23 semanas e 5 dias entrei em trabalho de parto. Ja tinha dilatado completamente tive um parto normal depois de 2 horas o meu bebê faleceu. Depois tive uma falta de ar fui pra urgência e diagnosticaram uma embolia pulmonar.||Fiz uso de anticoagulante durante 10 meses ;minha medica fez uma pesquisa de trombofilia e foi constatado que eu tinha esse problema ,meu sonho é ser mãe. |minha GO liberou pra eu poder engravidar para fazer o uso de clexane ; porem será uma gravidez de alto risco e eu estou com muito medo pois é o meu maior sonho só que o medo é muito grande ];deu passar por essa dor novamente .Peço forças a Deus todos os dias.muito obrigada por esse depoimento isso ajuda a confortar e dar apoio a muitas mães trombofolicas que na maioria das vezes nem nunca viram e nem ouviram falar desse problema.Fica com |Deus!

    16 de fevereiro de 2017 at 12:13 Responder
      • Renata

        Minha linda muito obrigada por suas palavras é tão importante saber que tem muitas mães e tentantes que estão passando por isso e que estão se unindo cada vez mais para ajudar umas as outras muito obrigada Verônica que Deus abençoe a sua família .E com fé em Deus farei questão de dar o meu depoimento que deu tudo certo na minha gravidez. Um grande beijo!

        17 de fevereiro de 2017 at 11:45 Responder
  • Denise

    Oi tive um aborto em dezembro fiz exames e fui diagnósticada com lúpus. Agora vou passar com um reumatologista meu ginecologista pediu. Quero muito engravidar até hoje sofro muito com o aborto. Espero que de tudo certo.

    24 de março de 2017 at 01:23 Responder
  • Pollyane Grazielle

    Oi Verônica tive um aborto espontâneo em outubro do ano passado e descobri que tenho um tipo de trombofilia (C677 heterozigoto). Fiquei muito preocupada, tenho me apegado a Deus pois quase entrei numa depressão. Meu sonho é ser mãe. A partir de junho vou começar a tentar engravidar, minha médica disse q assim que eu estiver grávida já terei q usar o anticoagulante. Qual o seu tipo de trombofilia? Não encontro muita informação sobre o meu caso.

    13 de abril de 2017 at 14:45 Responder
  • Amanda karem

    Oi Veronica,
    Meu nome e Amanda tenho 25 anos e mes passado meu bebe faleceu dentro da minha barriga eayava de 26 semanas, fui internada com pré eclampisia grave e hellp sindrome e a medica da maternidade disse que provavelmente o que aconteceu e que eu posso ter trombofilia o que obstruiu arteeua e veias uterinas e impediu de ir oxigênio para meu menino, pois no atestado de óbito esta causa do falecimento foi hipoxia. Tenho muito medo de engravidar de novo e acontecer a mesma coisa nao sei se aguentaria perder outro filho essa dor de perder meu menino e a pior dor que eu ja senti na minha vida ..

    17 de abril de 2017 at 19:52 Responder
  • Delma

    Boa tarde meninas!!!
    Fui diagnosticado com combofilia
    Depois de ter 3 abortos
    Mas nunca deixei de sonhar em ser mãe,seiq ue exiate um Deus que cuida de cada uma de nos.
    Me consultei hoje meu médico falou que só vou tomar anticoagulante enjetavel quando estiver grávida,pensei que tivesse que iniciar antes.
    alguém sabe me dizer se é assim mesmo,só temos que tomar anticoagulante quando estamos gravidas??

    3 de maio de 2017 at 16:29 Responder
  • Delma

    vcs tem gropos de watss meninas?
    Se tiver queria participar por favor

    3 de maio de 2017 at 16:41 Responder
  • Delma

    Meu numero é 87891172

    3 de maio de 2017 at 16:43 Responder
  • Janaina Aquino

    Esclarecedor Verônica!
    Tive pré eclâmpsia com 30 semanas de gestação e minha Malú ficou conosco por 05 dias. Em seguida dei início ás investigações e tenho trombofilia (A1298C). Doença silenciosa, assintomática e por muitas vezes negligenciada pelos ginecologistas. Com 28 semanas eu já tinha artérias resistentes e a minha médica disse que eu não me preocupasse. Confiei, claro. Mas Deus sabe de todas as coisas. Obrigada!

    12 de maio de 2017 at 15:03 Responder
  • Dani

    Muito esclarecedor seu relato. Estou na minha quarta gestação, sendo 3 abortos e um lindo filho. Minha médica receitou as injeções diárias (super caras). Tenho AR (aborto de repetição)! Devido minha idade avançada (41 anos), acho que a atual gestação será minha última chance.
    Após a leitura do seu texto e dos cometários, associei o baixo peso do meu filho durante a gestação e minha placenta subnutrida a trombofilia.
    Alguém conseguiu as injeções num preço mais justo? Como?
    Gostaria muito de participar do grupo de Whatsapp sobre o tema!

    12 de maio de 2017 at 20:30 Responder
    • Dani

      Em tempo, estou na quinta gestação!

      12 de maio de 2017 at 20:31 Responder
  • Silene

    Eu tive dois abortos. Um em 2014 e outro em 2015, os dois com 8 semanas diagnosticados como gravidez anembrionadas. Agora em 2017 resolvi fazer uma investigação e deu trombofilia. Mais eu já tenho 36 anos e tenho medo de passar por tudo aquilo do novo. o médico me disse que eu tenho que assim que eu descobri a gravidez tenho que tomat as injeções de eparina. Estou com muito mefo.Tive uma depressão não se sei se suportarei novamente.

    15 de maio de 2017 at 00:21 Responder
  • Diana Lima

    Oi Verônica!
    Estou de 38 semanas e também tive que fazer uso do Clexane na gestação.
    Queria saber sua experiência pós parto. Você teve que continuar o uso do ckexane após o parto?
    E em relação a amamentação como foi?
    Obrigada!

    25 de maio de 2017 at 14:45 Responder
  • Maiara

    Com 30 semanas descobri que minha placenta estava em terceiro grau, pois meu bebê não estava crescendo como esperado minha Dra conversou comigo e começamos o tratamento com clexane 40mg em 15 dias não teve resultado e partimos para 60mg que foi até o final consegui segurar até 39+1 graças a Deus mesmo assim ele nasceu com 2530kg nossa lembro como se fosse hoje chorei muito quando ela me explicou tudo e as injeções foi igual a você Veronica primeira semana não tive coragem mas depois virou uma rotina normal pra mim foram 50 dias assim, quando fiz a cesárea minha Dra mandou pra análise e realmente tive trambofolia e na próxima gravidez vamos de novo pras agulhadinhas, ah não tive problema pra engravidar, pois engravidei no primeiro que tentei…

    27 de maio de 2017 at 02:20 Responder
  • Aline Berenguel Feltrin

    Qual a sua mutaçao. ? Eu descobri agora a trombofilia, mas segundo a especialista, é uma mais simples, que os hematologistas nem consideram.
    De qualquer forma, engravidando, terei que tomar clexane no 1° trimestre da gravidez somente. Ainda assim estou com tanto medo

    13 de junho de 2017 at 21:56 Responder
  • Francielli Lima

    Oi, Após dois abortos seguidos procurei uma médica especializada em gravidez de alto risco. Fiz todos os exames necessários para saber se tinha algo errado, até que engravidei novamente e descobri que tinha trombofilia gestacional. Fiquei muito preocupada, minha médica explicou tudo o que eu devia saber e logo me passou as temidas injeções. Comecei a aplicar no mesmo dia mas infelizmente 29 dias depois, quando fui fazer a ultrassom do 1º trimestre descobri que o coração do bebê não batia mais. No início pensei em desisti e não mais engravidar, mas com o passar dos dias cresce cada vez mais a vontade de ser mãe, mas também o medo de ter outro aborto. Mas apesar de tudo Creio que Deus é conhecedor de todas as coisas e sabe o que é melhor para nós e se for da vontade dele virá.

    19 de junho de 2017 at 16:44 Responder
  • Elisabete

    Boa noite, tenho um filho que vai fazer 4 anos. Uma gravidez tranquila. Meu filho nasceu com 39 semanas com 3,100 kg. O ano passado decidimos engravidar novamente. Tive 2 abortos seguidos. Fiz exames e foi diagnosticado trombofilia hereditária. No meu filho não se manifestou. Não sei bem o que aconteceu! Estou grávida novamente de 5/6 semanas. Comecei logo que tive o meu positivo as injeções. Tomo também aspirina, indo e ácido folico. Quero muito acreditar que vai correr tudo bem, mas estou tão assustada! Tenho muito medo que algo corra mal. Quero tanto ter o meu bebe nos meus braços, grande lindo e saudável. Rezo todos os dias… resta me acreditar e esperar que corra tudo bem. Bjinhos

    20 de junho de 2017 at 21:42 Responder
  • Aline emanuela

    Obg por suas palavras estou com muito medo! De tudo isso e de perder mais um bebe!

    22 de junho de 2017 at 23:54 Responder
  • Juliani

    Oi Veronica, quando você diz que fez o exame, a que se refere? É o de mutação? Você apresentava algum sintoma? Obrigada

    12 de julho de 2017 at 22:04 Responder
  • rafael

    Veronica,

    Seu relato da gestação foi muito aliviador pra mim, estou gravido, junto com minha esposa claro, e em uma dos exames de um problema na mutação c677t heterozigoto, e nossa proxima consulta sera agora dia 21/07, me assustei muito com tudo isso, principalmente por ser primeira gravidez, e alem de ser muito desejada, me preocupo muito com a saude da minha esposa e claro com a do bebe.
    Seja feita as vontades de Deus, mas oque pudermos fazer a respeito, faremos.

    17 de julho de 2017 at 16:49 Responder
  • VANIA VASCONCELOS

    OI VERONICA MEU NOME E VANIA TAMBEM PRECISO USAR O CLEXANE , ESTOU GRAVIDA D E11 SEMANAS E AINDA NAO COMECEI A FAZER USO ESTOU DESESPERADA E PEDINDO A DEUS QUE DE TUDO CERTO .

    21 de agosto de 2017 at 18:58 Responder
  • Dheniffer Fragozo

    Oi.. então descobri a trombofilia esse ano Depois de 2 percas .. a primeira foi no fim do ano passo estava de 3 meses e a segunda foi em abril estava de 1 mês .. como você mesmo relatou quando descobri a trombofilia foi um susto, Foram tantas noites em claro chorando e se perguntando o porque disso tudo estar acontecendo comigo .. Mas Deus sabe todas as coisas .. então comecei a pesquisar a ver relatos de mulheres que tem o mesmo problema .. Meu tipo de trombofilia é hereditário passou de mãe para filha ..
    conversei bastante com minha GO ela me incentivou a entrar com pedido na Justiça para conseguir as injeções pelo sus pois aqui onde moro Custa R$189.90 a caixa com 6 injeções .. entrei e já estou recebendo as injeções .. Mas falta ainda Coragem de tentar de novo , o medo de passar pela perca novamente pois as outras duas foi muito sofridas .. Mas lendo sua historia me fortaleceu a tentar novamente e sei que Deus está comigo e vai dar tudo Certo . Bjos

    21 de agosto de 2017 at 19:30 Responder
  • MaryMello

    Olá!!!
    Perdi 2 bebês no ano passado, ambos com 9 semanas. Comecei a investigar os motivos mês passado, até fiz a ultra, fiquei esperando minha menstruação descer para concluir os outros, mais não desceu. Descobri que estava grávida, voltei ao medico e ele me disse que poderia ter trambofilia, mais não é de certeza, que seria um risco, passou as injeções, porém não sei ao certo o que é. Queria saber se posso fazer o exame estando grávida e qual seria esse exame? Desejo tanto esse bebê.

    29 de agosto de 2017 at 22:21 Responder
  • BRENDA SOUZA

    Olá Verônica.
    ja sofri 03 abortos, de 2010 a 2015 e somente em 2016 é que descobri a Trombofilia, esse ano, mesmo tomando anticoncepcional, pois ainda não podia arcar com o tratamento que é caríssimo, pela graça de Deus eu engravidei, e junto com a trombifilia descobri que estava com toxoplasmose, meu chão caiu, poxa, ja não bastava a trombofilia e agora isso também?, mas meu sonho de ser mãe sempre falou mais alto e estou encarando tudo, as picadinhas de amor todos os dias e antibióticos fortes e vitaminas, meu estômago as vezes doí demais, mas tudo pra dessa vez dar certo e ja deu, tenho tantos medos, mas após a 1º morfológica conseguir relaxar mais um pouco, as vezes, sinto um desconforto da barriga e muitos falam que é normal p´q o bb esta crescendo e como meu plano não cobre ultra-som dopller tenho sempre que esperar eu receber no fim do mÊs para faze-la e entrego nas maos de Deus mesmo, minha medica é otima, mas queria ter oportunidade de realizar maios exames, mas como nunca da, eu so posso orar e pedir a Deus toda proteção necessária e que a ultra do fim do mes chegue logo, e assim ja estou indo pro 04 mes..graças DEUS

    19 de setembro de 2017 at 13:45 Responder
  • joana

    oi Verônica . Sou joana estou gravida de 25 semanas desde e incio da gestação a médica me receitou o AAS, pois tive dois abortos, um com dose semanas espontâneo e outro co 7 semanas ( gestação anembrionária ou aborto retido) fiquei preocupada, mas tomo até hoje. Fiz os exames e não deram nada, porém a médica disse que deveria continuar com o AAS. Com o meu bebê tá tudo bem, mas eu não sinto apetite para comer, as vezes penso que pode ser do AAS. Sérria possível?

    20 de setembro de 2017 at 11:15 Responder
  • Vanessa Dellamonica

    Fui diagnosticada com TVP no braço direito em outubro 2016 fazia uso do remédio Xarelto 20 Mg. Em maio 2017 acabei engravidando de surpresa! Já sou mãe de duas lindas meninas, assim que descobri a gestação comecei a usar clexane 60 mg as picadinhas de amor confesso que tem dias que é só em Deus que consigo forças, sinto muito medo, angústia é muita ansiedade. Mas sigo com fé em Deus que logo estarei com meu bebê nos braços!! Adorei ler histórias de pessoas que passam ou que passaram por isso ânimo e conforto encheram meu coração nesse momento.

    21 de setembro de 2017 at 13:47 Responder
  • Pollyane Grazielle

    Oi meninas. Já relatei meu caso aqui, perdi meu bebê em outubro do ano passado e então descobri a trombofilia. E agora com 10 semanas perdi de novo, estava usando as injeções. Estou muito mal, doi muito. Resolvi esperar meu organismo expulsar o feto naturalmente. Eu estava usando a Enoxalow, alguém conhece. Estou insegura sobre essa marca, pois na caixa diz q é intravenosa. E aplicava no abdômen q nem as outras.

    22 de setembro de 2017 at 15:07 Responder
  • Sueli

    Olá… fiquei grávida aos 38 anos e quando estava de cinco meses descobri q meu bebê tinha síndrome de Patau…tive um aborto… depois daí fiquei c medo de tentar engravidar novamente…fui diagnosticada com trombofilia.. agora tenho 41 anos…e dois obstetra me aconselharam a não engravidar.. tô muito confusa…quero tentar…o q faço..

    23 de setembro de 2017 at 16:58 Responder
  • Krisley Mota

    Olá meninas, bom meu nome é Krisley, tenho 26 anos,uma filha de 10 anos, sou casada há 11 anos. Este ano em Janeiro no dia 1 descobri que estava grávida, nossa um sonho realizado, com 15 dias fiz uma ultra pois como a menstruação estava desregulada, não tinhamos certeza do tempo de gestação. No dia 16 de janeiro estava com 4 semanas, estava lá o saco gestacional formadinho,regular e bem implantado. Mas infelizmente depois de umas 3 semanas comecei a sangrar, sangrei por 12 dias. No dia 16 de fevereiro o aborto evoluiu, era uma gravidez anembrionaria,passei por curetagem e após um mês engravidei novamente, no dia 26 de maio estava com sangramento, fui até a maternidade, fiz ultrassom de emergência, constataram gravidez molar! Outra curetagem realizada.
    Não fiz biópsia de nenhum aborto. Fiquei sem diagnóstico.
    Mas fiz uma série de exames, todos negativos.
    Minha médica suspeita de Trombofilia, qual exame vcs fizeram, que detectaram a Trombofilia?

    23 de setembro de 2017 at 17:54 Responder
  • Anne

    Oi, pessoal. Não encontro muitos casos parecidos com o meu na internet.
    Descobri que tenho uma possível trombofilia da pior forma possível. Tive uma gravidez super tranquila, foi detectada durante a gravidez um aumento da resistência das artérias uterinas, tomei AAS durante a gestação, mas ele cresceu normalmente, nasceu forte e saudável.
    Oito dias após meu bebê nascer, tive uma trombose cerebral, e desde entao estou em uso de anticoagulante, por sorte não me deixou nenhuma sequela. Ainda não fiz todos os exames de investigação pra trombofilia por alteram em uso de anticoagulante, só vou poder fazer quando terminar o tratamento.
    Me sonho sempre foi uma familia grande, varios filhos, nao sei se vou poder mais engravidar, tenho muito medo de contraindicarem pra mim. Sei que não será mais possível, mas queria ter ao menos mais um. Alguém já passou por essa situação e engravidou depois com os cuidados, clexane , etc? Obrigada

    19 de outubro de 2017 at 08:39 Responder
  • Edilaine

    Que linda história, também tenho trombofilia e estou na espera do meu positivo é mto importante saber que não estou sozinha obgda pelas dicas e por dividir com nós o seu milagre

    23 de outubro de 2017 at 00:40 Responder
  • Angela

    Fiquei grávida duas vezes, tive aborto espontâneo nas duas gestações, não passei da 7ª semana. Após comecei a investigar as causas e descobri trombofilia hereditária. Agora estou grávida novamente (estou de 4 semanas), uso clexane 60mg de 18h em 18horas. Descobri uma médica maravilhosa que atende em Passo Fundo (RS) – Gelvani Fritzen. Aconselho a todas que tiveram aborto não tentarem novamente sem antes fazer uma investigação profunda. Estou confiante que desta vez fiz tudo que esteve ao meu alcance. Boa Sorte a todas

    7 de novembro de 2017 at 19:08 Responder
  • Angela

    Fiquei grávida duas vezes, tive aborto espontâneo nas duas gestações, não passei da 7ª semana. Após comecei a investigar as causas e descobri trombofilia hereditária. Agora estou grávida novamente (estou de 4 semanas), uso clexane 60mg de 18h em 18horas. Descobri uma médica maravilhosa que atende em Passo Fundo (RS) – Gelvani Fritzen. Aconselho a todas que tiveram aborto não tentarem novamente sem antes fazer uma investigação profunda. Estou confiante que desta vez fiz tudo que esteve ao meu alcance. Boa Sorte a todas

    7 de novembro de 2017 at 19:08 Responder
  • Geronize

    Olá!!! Muitas histórias…
    Que Deus possa abençoar a cada uma…
    Eu tive uma perda em 2015 perdi minha princesa com 23 semanas tive síndrome de hellp!!! Fiz exames e acompanhamento pra engravidar novamente, agora em 2017 engravidei de um príncipe tão amado e desejado, estava tudo muito bem até o sexto mês quando minha bolsa furou e perdi todo líquido, tive que fazer uma indução devido uma infecção ! Nunca imaginei que iria passar novamente por essa dor!
    Sim novamente saindo do hospital de mãos vazias!!! Atualmente estou fazendo investigação de trombofilia aqui em Porto Alegre… deu mutação presente no c.677cT MTHFR e c.1298A tudo ainda é muito novo pra mim!!! Falta ainda alguns exames pra fazer que o plano não cobriu, no momento não temos condições de fazê-los, irei levar esses prontos pro hemato…
    A cada dia peço força ao Senhor pra prosseguir e conseguir o meu alvo que é meu arco-íris após duas tempestade
    Bjos que Deus nos abençoe.

    22 de dezembro de 2017 at 02:03 Responder
      • Geronize

        Amém amém eu creiooo!!!
        Obrigadaaa…

        26 de dezembro de 2017 at 13:20 Responder
  • Deborah

    Oi, Verônica, tudo bem? Estou grávida de 17 semanas e tenho trombofilia heterozigoto gene protrombina… estava em uso de clexane de 60mg qdo tive trombose na 10a semana. Hj tomo duas injeções diárias de 60mg…será assim durante toda a gestação. Queria saber quais exames complementares sua obstetra pedia no seu pré Natal… e a frequência de ultrassons tb. Estou com tanto medo. Realmente ler na internet nos causa pânico. Muitas histórias tristes…

    7 de janeiro de 2018 at 18:11 Responder
  • Jucy

    Oi Veronica!
    Descobri que estou grávida de 14 semanas e estou muito feliz. As vezes da um friozinho na barriga,pois já sofri 4 abortos mas estou confiante em Deus. Também tenho trambofilia e já estou tomando as injeções.

    10 de janeiro de 2018 at 00:20 Responder
    • Janira Villani

      OI
      Qual dosagem você toma será que poderia me disser? além das injeções vc toma AS? grande abraço e Deus ilumine sua gestação

      18 de janeiro de 2018 at 22:10 Responder
  • Janira Villani

    Janira
    Ola meninas, em 2016 fiz uma bateria de exames minha saúde excelente então estava pronta para a primeira gravides estava tudo certo ate a primeira ultrassom com 8 semanas o baque o feto já estava sem batimentos a uma semana, fiz a curetagem no dia seguinte, 6 meses depois fiz exames estava novamente tudo bem, engravidei novamente isso em março de 2017 na quinta semana tive sangramento já comecei tomar ultragestan e fiz a primeira ultra estava com deslocamento de placenta o medico desconfiou de trombose me aconselhou a procurar um hematologista lá fomos nos, ele me fez muitas perguntas e me receitou a enoxaparina 80mg disse ele vamos ariscar toda tentativa e valida e me encaminhou para fazer os exames de trombofilia, mas infelizmente tomei 6 dias ai fui fazer outra ultrassom já estava sem batimentos a 2 dias mais um baque, optei por esperar meu corpo expelir mas 20 dias e nada mais uma vez curetagem, depois da li fiz os exames tenho trombofilia genética, em agosto comecei a tomar AS que será pro resto da vida, esta semana fiz o teste estou gravida de novo no mesmo dia comecei a tomar além do AS a enoxaparina de 40mg já tomei 6 doses como meu hematologista esta viajando quem me receitou foi a ginecologista, hoje ela me ligou pedio que fosse ate o consultório pois avia entrado em contato com o hematologista e ele receitou-me uma dose de 100mg estou sem saber o que fazer e muito estranho em nem uma das pesquisas que fiz vi alguém tomar 100mg, GOSTARIA DE SABER SE ALGUEM DE VOCES TOMOU OU OVIO FALAR DESTA DOSAGEM MUITO ALTA?? Minha ginecologista e meia inexperiente nestes casos já estou procurando outro para uma segunda opniao, o que vocês acham??

    18 de janeiro de 2018 at 22:06 Responder
  • Cassiane

    Olá Verônica!!!

    Me chamo Cassiane e sou de Minas Gerais, tenho a trombofilia e sou tentante . Tenho muitas interrogações na minha cabeça.

    Queria te perguntar se vc faz uso de algum tratamento mesmo após a gravidez? Digo tratamento nos dias atuais?

    Muito Obrigado!! Achei o se blog ontem e já me apaixonei!!!

    31 de janeiro de 2018 at 16:03 Responder
      • Cassiane

        Verônica, muito obrigado!!

        5 de fevereiro de 2018 at 12:14 Responder
  • Claudia Ap. Ferreira Rosa

    Olá Veronica, estou de 32 semanas e há 15 dias fiquei sabendo do meu problema, meu médico só me pediu um exame de sangue não sei se esse é específico pra saber se é trombofilia ou não. No dia q ele me falou fiquei muito nervosa e não consegui perguntar nada em relação a isso agora só vou ter outra consulta na primeira semana do mês de março. Até agora só consegui tomar duas doses da clexane pois é muito caro e aqui na minha cidade para conseguir tenho q entrar com uma ação na justiça.
    Estou tomando o ass também mas não sei se é o suficiente. Estou com medo mas ao mesmo tempo confiante porque graças a Deus não sinto e nem nunca senti nada,gostaria na verdade que não fosse necessário o uso da clexane porq não sei como vou fazer. Semana que vem tenho uma US pra fazer e ja vou fazer várias perguntas ao médico que vai faze lo.Gostaria de saber o que teria a me dizer.

    20 de fevereiro de 2018 at 21:47 Responder
  • Rafael Blank

    Veronica,
    Boa tarde!

    Em Julho eu escrevi aqui, pois a pouco tempo tivemos a surpresa da gravidez, e depois o susto da Trombofilia.
    Confiamos muito na Obstetra e tudo foi perfeito graças a Deus, hoje nossa princesa esta com seus 47 dias de nascida, super saudavel, uma mega esfomiada.
    Sinceramente, nao sei como vivi tanto tempo sem essa pipoquinha, com toda certeza, a Malu é o melhor presente que Deus podia dar ao casal, o nosso melhor sonho materializado.

    Agradeço muito por suas palavras na epoca, pois sei que me ajudaram muito e vejo que ajuda muitas pessoas.

    Desejo o melhor sempre e mais uma vez obrigado.

    E se quiser conhecer nossa princesa, ela esta no inta, Malu pipoca

    5 de abril de 2018 at 16:32 Responder
  • Aldelina

    Já tive 3 abortos, e depois deles descobrir que tenho trombofilia, agora tô tentando engravidar novamente, meu medico disse que assim que eu engravidar eu procure-o, para começar o tratamento com as injeções. confesso que tô com medo, mas esse é o meu maior sonho. Sei que não vai ser fácil, mas creio que não é impossível!

    23 de abril de 2018 at 17:50 Responder
  • Clyslangela (CRIS)

    Olá boa tarde, tiver um aborto recentemente a pouco mais de um mês, estava 20ª semana, ate então ia tudo bem, fizemos a primeira ultrassom com 13 semanas e o bebê estava bem, desenvolvendo dentro do esperando. Na Segunda ultrassom na 20ª semana descobrimos que nosso bebê estava sem batimento cardíacos, o susto foi imenso e a dor maior ainda, mas graças a Deus estamos superando. Iniciamos logo em seguida iniciamos a investigação para ver o que tinha acontecido, o Ginecologista pediu os exames, e o Beta2-Glicoproteína- IGM deu alterado- 29UR/ml. Anda não conversei com o medico pessoalmente, não pelo que ele falou esta ligando a trombofilia, o medo agora e imenso, varias duvidas??? Será que você poderia mim ajudar, queria saber quais perguntas fazer ao medico, e na hora a gente fica tão assustada que some tudo.

    25 de maio de 2018 at 17:09 Responder
  • Roberta

    Paula, você pode me tirar uma dúvida? Tenho trombofilia hereditária. Minha proteína S é considerada baixa (65%), e meu fator XI e proteína S livre são bem altos! Minha hematologista disse que preciso fazer uso das injeções de clexane 40 mg quando eu engravidar, mas meu ginecologista só passou para mim o Aas 81 mg. Agora estou na dúvida se uso só o aas ou o aas junto com o clexane! O que você acha?

    30 de maio de 2018 at 20:42 Responder
  • Sylvia

    Depois de 3 abortos estou grávida de 8 semanas.
    Tenho celulas NK alteradas (faço uso de intralipid), operei 1 septo no utero e tenho trombofilia.
    Consegui engravidar aos 37 anos fazendo coito programado e usando as injeções antes de engravidar.
    Estou sendo acompanhada com uma especialista em reprodução humana e infectologista (ambas maravilhosas) e graças a Deus está tudo bem comigo e tenho fé em Deus q vai dar tudo certo.
    Mas tenho medo de ter um “treco” um trombo, um infato, avc… sei la.
    Mas se for acompanhado com exames e usando a medicação certa isso é muito dificl de acontecer né?

    Parabéns pelo blog.

    15 de julho de 2018 at 17:32 Responder

Deixe o seu comentário...