to top

Uma liberdade chamada depilação a laser

Sempre tive um problema muito sério de foliculite e pelos encravados e desde o meu dermatologista até a minha ginecologista sempre me recomendaram fazer depilação a laser. Sou da legião de mulheres que sofre com uma massa de fios escuros, grossos, rebeldes e espalhados pelo corpo todo. E fazer a depilação a laser está sendo libertador. Estou indo para a segunda sessão na virilha e já senti muito a diferença.

Como o laser funciona?

Ele elimina o pelo porque a sua energia, em forma de luz, é atraída e captada pela melanina, pigmento presente na haste do fio e responsável pela sua coloração. Essa energia térmica destrói ou retarda a capacidade de o folículo produzir um novo fio. Os pelos que não são eliminados na hora crescem lentamente, mais claros e finos. A Débora Montemezzo, lá das Esteticistas Associadas que é onde faço a minha depilação até brincou comigo, que tenho “sorte”, já que quanto mais escuro o pelo, melhor vai ser o resultado com o laser. Alguma coisa tem que ter de bom nisso tudo, né… rs!

A aplicação dói?

Depende. Eu não senti um centavo de dor! NADA! Mas eu sou uma pessoa que quase não sente dor. Só para ter uma noção no dia em que João nasceu eu estava com 7cm de dilatação e não senti NADA! Se você aguenta firme a cera, não vai sofrer tanto assim com o laser. Mas saiba que há, sim, um desconforto em cada disparo. “Você pode sentir uma sensação de ardência, que vai variar com o teu nível de sensibilidade e ainda a área a ser depilada”, a Ana Caroline Peruzzo, que também é uma das responsáveis pela clínica. O uso de anestésicos locais, como o Emla e o Anestop, tornam as sessões menos doloridas – principalmente em áreas mais sensíveis, como o buço, ou em sessões longas. Mas é sempre indicado conversar com o profissional que estiver te atendendo.

Como fica a pele após a primeira sessão?

Quando eu fiz a virilha a primeira vez ele ficou vermelho e irritado por umas duas horas ainda, mas não coçou e nem fez nada mais. Não pude passar cremes naquele dia na área, e nem depilar com gilete.

Para quais áreas o laser é mais indicado?

Qualquer parte do corpo pode ser feita a depilação a laser.

Qual o número mínimo de sessões? Por quê?

Segundo a Sociedade Brasileira de Laser, o tratamento dura seis sessões, em média. A cada aplicação, muitos dos folículos pilosos são destruídos, não produzindo mais pelos, enquanto outros são danificados, permitindo que os fios voltem a nascer. A cada sessão adicional, os sobreviventes vão diminuindo e, depois de quatro a seis aplicações, restarão apenas alguns pelos na área tratada.

Se eu tiver poucos pelos, posso eliminá-los em uma só sessão?

Não. O pelo só é destruído durante a fase de crescimento. Mesmo em uma área com poucos fios, parte estará crescendo, parte em repouso. As sessões são realizadas em média a cada 30 dias para que possam atingir os pelos nas duas fases. “Após a primeira aplicação, os resultados já são visíveis e, ao final de seis aplicações, quase todos os pelos são eliminados”, explica o cirurgião dermatológico João Carlos Pereira.

Que cuidados devo ter antes e depois da sessão?

“O ideal é ficar pelo menos três semanas sem tomar sol antes de começar o tratamento”, conta o dermatologista Renato Pazzini, de Passo Fundo (RS). Depois de cada sessão, é comum a aplicação de um gel calmante ainda na clínica. Evite calor ou transpiração intensos e sol no local. No caso de ardência ou queimação, faça compressas geladas por 30 minutos.

Há algum perigo no uso do laser?

Sim. Se a intensidade do aparelho não for bem calculada, podem ocorrer queimaduras de segundo grau, formação de bolhas em alguns pontos ou ainda o escurecimento temporário da região afetada. O ideal é que a primeira sessão seja bem leve, numa baixa graduação do aparelho. Assim, o profissional pode avaliar a pele. Dependendo do tipo de laser utilizado, se você tomar sol diretamente na área depilada nos primeiros dias após a sessão, corre o risco de manchar.

As negras correm mais risco de ter manchas?

Depende. Apesar de o laser ser atraído pela cor e de as negras possuírem maior quantidade de melanina (substância que dá o tom à pele), os aparelhos modernos, apresentam um mecanismo de regulagem do comprimento e da intensidade da luz. Isso permite que mulheres de pele morena ou negra possam fazer a depilação sem o risco de manchar.

Laser é igual a luz pulsada intensa?

Não exatamente. O resultado e o princípio de destruição do pelo são os mesmos, mas a operação é diferente. A luz pulsada – diferentemente do laser – tem um comprimento de onda luminosa específico para reduzir o folículo de forma gradual. A grande desvantagem é que o tratamento com a luz pulsada é um pouco mais demorado: exige, em média, duas ou três sessões a mais do que o laser.

Se eu usar descolorante, o laser não funciona?

Há controvérsias. Alguns profissionais liberam o uso, já que a descoloração é apenas na parte externa do pelo. Outros afirmam que o descolorante prejudica a ação do laser. Na dúvida, é melhor manter o fio escuro antes de cada sessão.

A depilação é para sempre?

“Não. Nenhum laser proporciona depilação definitiva, já que alguns podem voltar a nascer após algum tempo. É necessária uma manutenção anual, para o pelo mais teimoso que possa surgir”, explica o dermatologista Cássio Villaça, professor assistente de dermatologia e cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (SP). Porém a associação da técnica certa com um bom profissional e um aparelho qualificado para o tipo de pele garante depilações duradouras.

Como é a manutenção?

Depende do aparecimento de novos pelos no local. Imagine a pele como um campo semeado. Você pode retirar toda a plantação madura, mas nada impede que uma semente esquecida germine depois de alguns meses ou anos. Com o pelo acontece a mesma coisa. “Isso é possível porque existem folículos imaturos, que vão se desenvolver no futuro”, explica a cirurgiã plástica Cristina Camargo, de São Paulo (SP).

Durante o tratamento, posso me depilar?

A depilação com cera quente ou fria, pinça ou eletrólise deve ser evitada por entre quatro e seis semanas antes e durante o tratamento a laser. “O uso de lâminas e cremes depilatórios é permitido porque esses procedimentos preservam a estrutura do pelo, mantendo sua haste intacta no folículo”, explica a dermatologista Jozian Quental Mendes, de São Paulo (SP).

Posso tomar sol após a sessão?

Depende. Já existe um tipo de laser que permite o sol após a sessão. “Ele atravessa a epiderme sem marcá-la, agindo diretamente na raiz do pelo. Isso impede que a pele manche“, explica a dermatologista Alessandra Passos. “A desvantagem é que, por atuar em uma camada muito vascularizada, repleta de terminações nervosas, a sessão é mais dolorida que a do laser normal”, complementa.

Você sabia?

As áreas próximas aos joelhos e aos tornozelos são mais sensíveis
O laser evita o encravamento, muito comum nas virilhas
As axilas podem ser depiladas com lâmina durante o tratamento
Prepare-se: o buço é um dos locais mais doloridos

Como evitar a foliculite no meu dia a dia?

Mesmo que fazer a depilação definitiva já esteja nos seus planos, há algumas maneiras de se proteger desse incômodo:

  • evite o uso de roupas apertadas: o atrito com os tecidos, principalmente o jeans, é um grande vilão para sua pele, causado irritações, ferimentos e o surgimento dos pelos encravados;
  • use sabonete antisséptico: limpar a região com esse produto é uma excelente alternativa para evitar inflamações. Além de higienizar o local, você ainda impedirá a proliferação de germes e bactérias, que são os maiores causadores da foliculite;
  • esfolie a pele: o dermatologista é a pessoa mais indicada para receitar o produto certo para o seu tipo de tez, assim como a frequência da esfoliação. Com essa técnica, a camada superficial da pele é retirada, o que ajuda bastante a não aparecerem os pelos encravados;
  • deixe a região arejada: a umidade é um dos fatores do aparecimento das foliculites. Portanto, sempre que puder, use roupas mais frescas e deixe que a pele “respire”;
  • utilize produtos específicos: mais uma vez o médico é fundamental e prescreverá cremes com ações antibacteriana e antifúngicas, podendo ou não incluir antibióticos no seu tratamento.

Por aqui seguimos firmes e fortes na depilação, até conseguir eliminar todos os pelos das áreas do corpo, porque ninguém merece, né gente! Vamos combinar!!

Lembrando que as Esteticistas Associadas estão em endereço novo na Rua Tiradentes, 623.

Verônica Muccini

Verônica Muccini é jornalista, mas brinca que tem a alma de Relações Públicas, porém foi na maternidade que descobriu o seu maior desafio. Divide as suas angústias, conquistas e trapalhadas com o pequeno João Henrique aqui no Depois da Chegada.

  • sayaka

    Para quem tem filhos com foliculite e precisa de proteção contra o sol, Gabriella aconselha trocar a roupa úmida por uma seca enquanto estiver fora da água por um período de tempo maior. ‘Para evitar que a criança desenvolva um quadro de foliculite, aconselho levar duas roupas de banho: sendo duas camisas UV e dois maiôs ou sungas.

    10 de março de 2018 at 10:44 Responder

Deixe o seu comentário...